• Email: contato@theracom.com.br
  • Fale conosco: (11) 4421-1001

Empresa

Conheça mais sobre a Theracom

Qual P25 é o certo para sua organização?

Qual a melhor solução para sua organização?

Sem dúvidas existem fortes razões para organizações criticas migrarem para P25, mas as varias opções existentes podem tornar difícil a escolha de qual rota tomar.

Organizações de missão crítica ao redor do mundo vem se modernizando com o P25 por mais de duas décadas. Mas ainda existem grandes perguntas a serem respondidas. Deveríamos escolher o P25 Fase 1 ou Fase 2? Troncalizado ou convencional? Realmente precisamos do P25 ou poderíamos continuar com o Analógico?

 

P25 Fase 1 ou Fase 2?

O P25 Fase 1 foi o padrão original do protocolo P25, e apesar de ser mais antigo que o P25 Fase 2, isso não significa que seja a escolha errada. Tudo depende de sua necessidade.

A maior diferença entre P25 Fase 1 e Fase 2 é que a Fase 1 usa FDMA (Acesso Múltiplo por Divisão de Frequência), permitindo uma maior eficiência de canais através da divisão das frequências.

O P25 Fase 2 usa TDMA (Acesso Múltiplo por Divisão de Tempo), que divide o canal em dois “slots” de tempo.

A largura de banda da Fase 1 é 12,5kHz. Mas se você escolher o P25 Fase 2, que usa TDMA, então terá dois canais de voz para cada 12,5kHz de banda (efetivamente 6,25kHz por equivalência).

P25 Fase 1 permite tanto uma rede convencional quanto troncalizada, mas o P25 Fase 2 permite apenas rede troncalizada. Então se você precisa de uma rede digital convencional, a Fase 1 é a escolha certa. Mas antes de tomar essa decisão, vamos comparar o P25 Fase 1 Convencional e Fase 1 Troncalizado.

 

P25 Fase 1 Convencional

P25 Convencional oferece os benefícios do rádio digital com a simplicidade da operação convencional. Progredir para a Fase 1 te dá a segurança da criptografia digital e qualidade na comunicação até o limite da cobertura.

Mas o maior benefício do sistema convencional é que custa menos que o troncalizado e é mais fácil de operar. No entanto, se sua organização está se aproximando de 100 ou mais usuários de rádio, uma rede convencional pode rapidamente ficar congestionada, dificultando muito a comunicação, e será melhor considerar uma rede troncalizada.

 

P25 Fase 1 Troncalizado

FDMA significa que cada canal troncalizado usa 12,5kHz de banda, mas a troncalização tem grandes benefícios que o P25 convencional não oferece:

  • Menos canais podem suportar a mesma quantidade de usuários
  • A comunicação de uma pessoa para a outra é privada
  • Interface IP na infraestrutura – facilidade na integração de dados

 Inicialmente a troncalização pode ser frustrante para os usuários, que precisam aguardar por permissão para falar. No entanto, em redes movimentadas, o tempo de espera é menor que o convencional pois eles tem acesso a mais canais.

 

P25 Fase 2 Troncalizada

A principal razão para migrar para P25 Fase 2 é pela eficiência espectral. Se você precisa de mais canais, mas não tem mais frequências disponíveis, você pode aproveitar a vantagem da tecnologia TDMA do P25 Fase 2.

O TDMA permite o uso de dois canais “virtuais” para cada 12,5kHz de frequência lógica (largura de banda). Apesar de aumentar a complexidade, isso traz grandes benefícios.

  • Com efetivamente o dobro da capacidade de canais do P25 Fase 1, você se protege contra a escassez de espectro de frequência.
  • Devido ao Canal de Controle ser FDMA de 12,5kHz, o P25 Fase 2 é retro compatível com a Fase 1.
  • Você pode parar a transmissão de rádios para liberar os canais em caso de emergência.

 

 Analógico Convencional

 Para muitas organizações de missão crítica, isso poderia ainda ser sua melhor escolha.

Sem dúvidas o P25 é mais avançado, mas não há motivo para pagar mais por características se você simplesmente não precisa delas.

Aqui estão algumas razões para considerar o Analógico Convencional:

  • Custa menos que P25 Digital
  • Simples implementação
  • Seus usuários são mais familiarizados com a operação convencional

Se você está inclinado para um sistema analógico convencional, a melhor opção seria escolher uma opção que não te deixe na mão no futuro.

Oferecemos soluções Tait Analog Simulcast-over-IP, que também são capazes de operar em P25, então caso precise migrar para P25 no futuro, será um processo simples. Tudo que você precisa fazer é atualizar as licenças para operar em P25.

Uma opção seria alguns canais analógicos e outros P25 convencionais, para obter o melhor dos dois mundos.

 

O que é o certo para sua organização?

Capacidade continua sendo o maior problema para muitas operações, e a solução com maior capacidade é digital, sendo essa a P25 Fase 2 Troncalizada.

Fora isso, a decisão se torna mais complexa. P25 Fase 1 – convencional ou troncalizada – continua sendo a melhor opção para organizações que querem adotar o digital.

A não ser que você tenha um sistema sobrecarregado, com capacidade dramaticamente baixa (e frequências adicionais não estão disponíveis), qualquer outro argumento para escolher o P25 Fase 2 é superado por seu alto custo e complexidade.

Por outro lado, se você já está usando o P25 Fase 1 Troncalizado e precisa de mais capacidade, então o P25 Fase 2 é a melhor maneira de conseguir isso.

De qualquer maneira, independente de sua escolha, sempre recomendamos uma solução com um caminho de migração claro. Por exemplo, os rádios Tait série 9400 são capazes de operar em Analógico, P25 Fase 1 e P25 Fase 2, então qualquer que seja sua escolha hoje, estará preparado para as mudanças de amanhã.

Fale conosco

  • (11) 4421-1001
  • contato@theracom.com.br

Endereço

  • Rua das Figueiras, 1682 Jardim - Santo André - SP - CEP 09080-301